Blog

Americano vive sem dinheiro há 15 anos… e diz que nunca foi tão feliz!

Quem nunca ouviu falar da história de Christopher McCandless, o viajante americano que largou tudo para cair na estrada logo após se formar na universidade e acabou morrendo acidentalmente após ter se alimentado com uma planta venenosa?  Pois bem, a história de Daniel Suelo é bem parecida, mas ele continua firme e forte e está há 15 anos na estrada sem um centavo no bolso… e parece estar muito feliz com isso. Pelo menos é o que ele diz e o que qualquer um pode ver em seu semblante nas fotos que você vê neste post.
Daniel Shellabarger (seu nome de batismo), tem 54 anos e passou grande parte de sua vida em Arvada, uma pequena cidade próxima a Denver no Colorado (EUA) e 15 anos atrás, quando trabalhava como cozinheiro em Utah,  tomou uma decisão que qualquer um consideraria  loucura: Ele decidiu viver sem dinheiro. Simples assim!  Sem um centavo no bolso até o resto de sua vida! 😀

rainbowgathering

Daniel (o segundo no sentido horário) com seus amigos em uma Rainbow Gatherings, uma espécie de festival Hippie que ocorre em várias localidades do mundo – Foto: Arquivo Pessoal

No ano 2.000, Daniel entrou em uma cabine de telefone público e deixou lá “de presente” toda a grana que tinha no bolso (e na vida): US$ 30.  Jogou seu passaporte e sua carteira de motorista fora e mudou seu sobrenome para Suelo, que em espanhol significa solo. Daí pra frente meteu o pé na estrada e passou a viver como nômade.  Passou por algumas  comunidades alternativas, acampou no deserto e, quando é convidado, dorme na casa de estranhos, mas sua base é uma caverna no deserto de Moab em Utah (EUA).

Suelo e seus amigos em uma viagem no melhor estilo On The Road - Foto: Cody Colwell

Suelo e seus amigos em uma viagem no melhor estilo On The Road – Foto: Cody Colwell

Muitos podem dizer: “Mas esse cara é um mendigo, um andarilho e as BR’s pelo Brasil afora estão cheias deles. Qual é a diferença?” –  a diferença é que Daniel faz isso por  ideal. Daniel é cristão e parece viver na simplicidade como vivia Jesus, sem moedas de prata .  Ele não pede esmolas,  nem está cadastrado em nenhum plano assistencial do governo. Não recebe ou paga em dinheiro. No blog que mantém há uma frase que deixa claro seu estilo de vida: “A Natureza Selvagem, fora da sociedade de consumo, funciona através da economia da dádiva (de graça recebestes, de graça dai)”.  Daniel que tem formação universitária, decidiu trabalhar em troca apenas do que realmente precisa para viver, nada mais que isso!  Se recusa a receber qualquer compensação monetária em troca de trabalho. Em vez disso, ele aceita alimentos, roupas e amizade!

Daniel em sua caverna no deserto de Muhab - Foto: Hyoung Chang/ The Denver Post

Daniel em sua caverna no deserto de Moab – Foto: Hyoung Chang/ The Denver Post

A história de Suelo chamou a atenção dos jornais The Huffington Post e  The Guardian que em 2009 fizeram reportagens sobre ele. Após a exposição na mídia a editora Penguin Books tentou persuadi-lo a escrever uma autobiografia, mas ele colocou uma condição: Escreveria de graça e o livro teria que ser dado de graça!   A editora recusou a oferta, mas um amigo próximo, Mark Sundeen, o convenceu a escrever. Afinal, de que adianta ter um modo de vida sustentável e livre sem que as pessoas possam conhecer? “The Man Who Quit Money”  foi lançado em 2012.  Suelo recusou pagamento pelo trabalho, mas  solicitou que cópias do livro fossem distribuídas gratuitamente em eventos que promovam um estilo de vida sustentável.

Daniel no deserto de Mohab - Foto: Forward the Revolution

Daniel no deserto de Moab – Foto: Forward the Revolution

A vida de Daniel pode parecer loucura pra muita gente. Muitos dirão que ele é um impostor, que a venda dos livros, por exemplo, já invalidariam seu estilo de vida, mas em seu blog há uma passagem que ele conta o porque decidiu viver assim: “Quando eu vivia com dinheiro, eu estava sempre sentindo falta de algo. O dinheiro representa essa falta. O dinheiro representa coisas do passado (dívidas) e coisas do futuro (crédito), mas o dinheiro nunca representa o presente. Nós precisamos de muito pouco para viver e não nos damos conta disso.”
Daniel aprendeu a viver com muito pouco, materialmente falando.  Quem já caiu na estrada em uma viagem de longo prazo e passou por perrengues mil, sabe que isso é pura verdade. De qualquer forma, mesmo não vislumbrando viver como ele, qualquer um há de concordar que seu estilo de vida é um belo exemplo de como é possível viver em paz e de forma sustentável em um mundo cada vez mais preocupado com crises financeiras e a destruição dos recursos naturais.  E ele não está sozinho, na web há sites de outras pessoas que estão fazendo o mesmo. A Alemã Heidemarie Schwermer , o irlandês Mark Boyle  e o viajante Tomi Astikainen são alguns que estão tentando viver uma vida fora da sociedade de consumo.

Aqui no Mochila Brasil, nós criamos a tag Vida Off The Grid e vamos trazer periodicamente  mais histórias desse tipo de vida fora dos padrões.

Pelo jeito a grana realmente não lhe faz falta - Foto: Stephanie Summerfield

Pelo jeito a grana realmente não lhe faz falta – Foto: Stephanie Summerfield

Fonte: The Huffington Post, The Denver Post e P Zebra.

Votar

0 ponto

Total de Votos 0

Votos Positivos: 0

Upvotes percentage: 0.000000%

Votos Negativos: 0

Downvotes percentage: 0.000000%

Comentários do Facebook

comentários

114 Comments

114 Comments

  1. Manuel

    5 de novembro de 2015 at 22:46

    Ele não vive sem direito, ele é desapegado do dinheiro e dos bens materiais e dorme feliz! Vive o aqui e o agora!

  2. mjag

    5 de novembro de 2015 at 22:43

    Ele não vive sem dinheiro ele não depende do dinheiro e esta desapegado dos bens materiais!

  3. Jeferson Madruga da Rosa

    22 de julho de 2015 at 9:06

    Apenas uma palavra..

    Vagabundo.

  4. Jouvanni Barreto

    6 de julho de 2015 at 0:22

    O estilo de vida dele é aparentemente legal, porém não se pode aplicá-lo a uma sociedade, pois só chegamos a este grau de desenvolvimento graças ao trabalho e a ambição do homem. se ele vivesse em sua casa, só, ou acompanhado, de forma simples e dentro das suas condições financeiras limitadas pelo montante de dinheiro recebido pelo seu trabalho, isso seria mais natural, aceitável e ser um exemplo de vida. Neste mundo moderno tudo é pago, porém os inválidos devem ser ajudados. Mas seria melhor ter pessoas assim, do que ter pessoas roubando, assaltando ou enganando os outros.

  5. luiz

    2 de julho de 2015 at 9:15

    Bom dia, impressionante não é a história deste americano, que por si só, é pra nos fazer pensar sobre a mediocridade de nossas vidas, o que impressiona são os comentários de revolta que aqui alguns postaram…não aceitando a escolha do cara…complicado o ser humano!!!

  6. Andreia

    2 de julho de 2015 at 7:51

    Os comentários são ótimos, não ter dinheiro e depender $ dos outros ? Fácil! Ahahahaha… também fiquei me perguntando: Como manter um belo sorriso sem ir ao dentista ? Sem usar escova de dentes, creme dental, fio ? (produtos industrializados)

  7. Monsyerrá Batista

    1 de julho de 2015 at 18:35

    O conceito de homem civilizado, criado e consumido pelo status quo da sociedade de consumo, parece girar em torno de dois sois absolutos do pensamento materialista capitalista ocidental, “eu trabalho duro pra comprar uma imagem de “ser humano funcional, bem sucedido, merecedor e invejado” e o outro “se pago impostos, todos tem de me dar ouvidos, por que tenho direitos e dinheiro e parte dele mantém o mundo (corporativo) do progresso da grana borbulhando. PENSAMENTO OBTUSO DE MENTES TRABALHADAS PRO EGO E PRA COMPETIÇÃO NARCISTA. Não interessa se é gente acadêmica ou operacional, o conceito ideológico é de dominação impositiva e quase nenhum senso reflexivo de interpretação filosófica, rosnam logo apontando o viés MERCADOLÓGICO, REACIONÁRIO E INQUISITIVO! É lamentável que não consigam ler na íntegra um simples texto sem disparar juízo ególatra sobre questões existenciais! Perdem a oportunidade de compartilharem de outras diferentes formas de escolha vivêncial! Criaturas, sois fruto de uma SOCIEDADE DOENTE E DEPRESSIVA, DOPADA A BENS DE CONSUMO! Vivem nas cavernas de concreto dos condomínios, onde uma simples eleição de cíndico, vira guerra de ódios, calúnias e risco de morte! Sois ainda mais IGNORANTES e selvagens por desprezarem os ensinamentos da história e adorando as ferramentas de uma tecnologia, que não são capazes de gerar, mas que adquirem pra fazer mal uso prático por vaidade e logo descartar no lixo, como se esse gesto fosse perfeitamente natural! SÃO PESSOAS COMO VOCES que estão tornando esse pais maravilhoso, um lugar deprê e de gente calhorda e golpista! CRITICAM, DESDENHAM, CENSURAM, MAS OPORTUNISTAS E VENDILHÕES, FAZEM QUALQUER COISA POR DINHEIRO, incluindo sonegação, chantagens, seduções e subornos do ramo. Quem não consegue perceber, que RENUNCIAR é um ato de CORAGEM, AMOR, de FÉ (em si mesmo) e RESISTÊNCIA ao que não te parece lícito OU O MELHOR CAMINHO, jamais saberá o que quer dizer LIBERDADE, CONSCIÊNCIA E ATITUDE SUSTENTÁVEL! A crença de que a natureza é uma mera fonte de matéria-prima para a famigerada necessidade de CONSUMO das fontes do poder FINANCEIRO E PRIMITIVO DAS MENTES tacanhas e materialistas, está condenado a ver o seu próprio mundo interior IMPLODINDO! Pessoas movidas pelo medo e a necessidade de afirmação, são cegas em vários sentidos e por isso mesmo, tornam-se mais cedo ou mais tarde em meros SMIGOLs do Senhor dos Anéis… começam a perdendo o emprego, a namorada, a saúde e tornam se mais um suicida ou um Marin, um Valério, um Zé Dirceu, um Nicolau, um Bruno, um Rafael menudo… expressões de canalhas cujos valores eram feitos de ostentação e desvario$. “A inteligência ficou cega de tanta informação”. Que haja outra pessoas, outras razões, outras formas de viver, amar, servir e deixar viver! É o que liga.

  8. BiancaLinda

    1 de julho de 2015 at 17:14

    De todos os comentários, alguns ofensivos, outros elogiando, o que mais gostei foi este:
    “Sem dinheiro os ladrões desaparecem, Principalmente os governos!” – Fantástico!

  9. tiago

    1 de julho de 2015 at 17:12

    E como mantem um blog ou website?

  10. Adriana

    1 de julho de 2015 at 17:02

    E quando envelhecer? Contará coma piedade alheia? Acho que fomos feitos para evoluir, e não apenas trocar necessidades básicas;

  11. jaime

    1 de julho de 2015 at 16:34

    Sera que ele não quer convidar o LULA e a Dilma para viver com ele , pois são parasitas como ele ….

  12. Lennon Duques de Barros

    1 de julho de 2015 at 15:20

    Acho louvável a atitude dele, mas ele vive sem dinheiro em temos. Ele vive sem a posse do dinheiro, mas vive com o dinheiro dos outros, que estão em posse de outros, ou seja ele usa dinheiro indiretamente. Dinheiro por si só é apenas um papel que representa poder de aquisição de bens materiais, comida, mantimentos, roupas, remédios, enfim, bens de qualquer ordem. Ao receber doações, todas essas doações(bens) trazem em seu lastro um histórico de diversas transações que fatalmente envolvem dinheiro. No mundo onde vivemos, em qualquer tempo, é impossível viver sem bens materiais. Papel-moeda e bens materiais no fundo é a mesma coisa. É só a minha humilde opinião.

  13. Eddiew Santecler

    1 de julho de 2015 at 14:50

    E como ele paga a erva que ele fuma? Ou vocês acham que esse sorriso todo é de graça…

    • david

      1 de julho de 2015 at 16:48

      ué, ele pode plantar….

  14. Ricardo

    1 de julho de 2015 at 14:27

    Ele largou tudo oq tinha: 30 dólares.

  15. Noryb Zitro ed Ojuara Olhif

    1 de julho de 2015 at 14:15

    Na foto da caverna ele carrega uns utensílios industrializados. Quem produziu?
    E se ficar com dor de dente, como é que faz? E as roupas que ele veste, se todos se tornarem vagabundos vamos andar nús?
    E quando ele morrer, quem enterra? Ou deixa a carcaça para os urubús?
    E se todos pensarem assim não haverá mais famílias e a civilização acaba.
    Como viver em um mundo sem crianças?
    E viver sem mulher? tá louco, não dá não. Porque uma mulher que viva como ele não vai dar para encarar. Mulher tem de ser cheirosinha. Ele só tem amigos homens, acha?
    Credo…

    • Fran

      8 de julho de 2015 at 19:39

      Que comentário preconceituoso! Por que atacar o que é diferente de nós? Deixe ele ser como é e seja você, apenas. Vagabundo? Ele se mantém da forma dele, do mesmo jeito que me mantenho co meu trabalho. Vagabundo para mim é quem tem condições de andar com as próprias pernas e vive na sombra dos pais, governo, etc. E venha cá, “mulher tem de ser cheirosinha”? E homem então tem licença poética pra ser “fedorento”? Conta outra! Todos nós temos obrigação de nos mantermos limpos e cheirosos, não para agradar o olfato machista de ninguém, mas por questões de higiene. Aaaaaaargh, preconceito escorrendo aí no canto da boca, colega. Abraços.

  16. Nadia

    1 de julho de 2015 at 14:10

    É… É facil criticar o sistema e ainda assim depender dele.
    Pra ser livre de qq bem do mundo capitalista, o cara teria que morar na selva, plantar ou caçar o que come e vestir o que fabrica.
    Assim é fácil…. alguem produziu a roupae os que ele usa, fez a comida que ele come….escreve livros… Hipocrita

  17. Carlos

    1 de julho de 2015 at 13:49

    Igual a esse tem bastante na Amazonia, alguns nem conhecem a civilizacao. E tambem ele ja fez a faculdade mesmo. livre arbitrio para ele. ou seja parabens a ele.

  18. Edilson

    1 de julho de 2015 at 13:29

    É importante frisar que viver sem dinheiro é uma utopia. Uma coisa é abrir mão da ganância e usura, outra é demonizar o dinheiro. Se ele não produz e ganha dinheiro, alguém está fazendo isso por ele. Sem isso, não teria acesso a saúde, educação, alimentos, bens de consumo.

  19. Eduardo Lima

    1 de julho de 2015 at 13:28

    Os antigos ermitões e anacoretas do deserto já faziam isso no século III da era cristã. São Jerônimo, Sto. Antão e Simeão, o Estilita, já faziam isso muito antes da “America” existir. Mas como não eram americanos, então são pessoas secundárias.

  20. Guedes

    1 de julho de 2015 at 13:22

    Cada vez mais percebo a pertinência do ensinamento de Buda: “no caminho do meio está a sabedoria”.

  21. João Augusto

    1 de julho de 2015 at 13:15

    É uma forma de chamar a atenção e viver as custas de outros, mesmo que indiretamente. NManter uma família criar filhos prontos para sociedade, fazer a sua contribuição como cidadão… definitivamente não é dessa forma. Péssimo exemplo!!!

    • Luisa

      1 de julho de 2015 at 21:30

      Verdade

  22. Eduardo Lima

    1 de julho de 2015 at 13:14

    Os ermitões e anacoretas do deserto já adotavam esse estilo de vida desde o século III da era cristã. Santo Antão e Simeão, o Estilita, são os mais famosos deles. Mas eles não viveram na América, não eram americanos, e por isso são seres secundários, fazem parte apenas do ‘resto do mundo’.

  23. Jonas Paulo Negreiros

    1 de julho de 2015 at 12:58

    “Viver de graça é mais barato!”. (Jorginho Guinle).
    Esse andarilho representa uma das pontas da curva do sino. Nos estamos no meio dela.
    Fazendo o quê? Não sei.

    • Jonas Paulo Negreiros

      4 de julho de 2015 at 6:05

      Pensei melhor. Essa matéria pode ser apenas um informe publicitário cujo único objetivo é aumentar as vendas de mochilas.

  24. cesar

    1 de julho de 2015 at 12:49

    É um PARASITA SOCIAL. Vive Há 15 anos “sugando” o trabalho de outrem.
    Aparentemente também não trabalha a troco de comida.
    Então vive da caridade alheia, ou seja, do trabalho alheio.

  25. Anderson

    1 de julho de 2015 at 12:47

    Bom, o cara tem óculos, roupas boas e utensílios. Também precisa se alimentar e não produz nada disso. No final alguém tem que produzir esses bens. É um estilo de vida que não sustentaria muita gente. Já pensou uma multidão dependendo de outros para supri-los com os itens necessários? De sustentável não tem nada…

    • Anonymous

      7 de julho de 2015 at 16:41

      Hippies não buscam ser sustentáveis mas somente resistir ao sistema.
      Ele presta serviços em troca do que ele consegue então é uma relação de troca como outra qualquer.
      Porém tem uma grande diferença: no capitalismo o método de troca instiga cada vez mais as pessoas a competirem e lutar umas contra as outras, é uma coisa doentia sobre quem consegue acumular mais e portanto é superior. Isso que é a desigualdade. Os ricos vêem os pobres como nada, como lixo, ainda que a riqueza dele venha em muito da força de trabalho dos pobres, para ele isso não importa porque ele só enxerga a conta bancária.
      No caso das trocas sem dinheiro(um bem de consumo por outro bem de consumo) é diferente porque as pessoas passam a se enxergar mais como todas iguais caso as trocas sejam igualitárias, baseadas no amor, porém se existir esse descompasso (falta de amor) que é a ganância ou a necessidade que as pessoas tem de sentirem que ganharam mais e são melhores, fica sendo a mesma coisa.

      A sociedade antiga viveu esse descompasso e é exatamente desse histórico que surge o capitalismo como forma de facilitar as trocas, facilitando avaliar e quantificar o valor dos bens de consumo. Então em resumo, de nada adianta sair do capitalismo e voltar a esse modo de vida baseado nas trocas se não existir mais amor entre a humanidade. Caso exista não necessariamente o capitalismo tem que acabar, ele apenas vai se modificar de modo a ser menos ganancioso. Quando chegarmos a esse nível então teremos de fato evoluído mas hoje não vejo esse nível de evolução, hoje ainda somos apesar da tecnologia a mesma sociedade ou até pior que a sociedade de antes, a diferença é somente a tecnologia. Concluindo a sociedade é a expressão de nós como um todo e só quando cada um de nós olharmos para dentro, enfrentarmos nossas mazelas internas e mudarmos, então a sociedade não será mais como hoje.
      “Fé na caminhada, transmissão encerrada!”

    • Anonym. Angel

      7 de julho de 2015 at 16:45

      Hippies não buscam ser sustentáveis mas somente resistir ao sistema.
      Ele presta serviços em troca do que ele consegue então é uma relação de troca como outra qualquer.
      Porém tem uma grande diferença: no capitalismo o método de troca instiga cada vez mais as pessoas a competirem e lutar umas contra as outras, é uma coisa doentia sobre quem consegue acumular mais e portanto é superior. Isso que é a desigualdade. Os ricos vêem os pobres como nada, como lixo, ainda que a riqueza dele venha em muito da força de trabalho dos pobres, para ele isso não importa porque ele só enxerga a conta bancária.
      No caso das trocas sem dinheiro(um bem de consumo por outro bem de consumo) é diferente porque as pessoas passam a se enxergar mais como todas iguais caso as trocas sejam igualitárias, baseadas no amor, porém se existir esse descompasso (falta de amor) que é a ganância ou a necessidade que as pessoas tem de sentirem que ganharam mais e são melhores, fica sendo a mesma coisa.

      A sociedade antiga viveu esse descompasso e é exatamente desse histórico que surge o capitalismo como forma de facilitar as trocas, facilitando avaliar e quantificar o valor dos bens de consumo. Então em resumo, de nada adianta sair do capitalismo e voltar a esse modo de vida baseado nas trocas se não existir mais amor entre a humanidade. Caso exista não necessariamente o capitalismo tem que acabar, ele apenas vai se modificar de modo a ser menos ganancioso. Quando chegarmos a esse nível então teremos de fato evoluído mas hoje não vejo esse nível de evolução, hoje ainda somos apesar da tecnologia a mesma sociedade ou até pior que a sociedade de antes, a diferença é somente a tecnologia. Concluindo a sociedade é a expressão de nós como um todo e só quando cada um de nós olharmos para dentro, enfrentarmos nossas mazelas internas e mudarmos, então a sociedade não será mais como hoje.
      “Fé na caminhada, transmissão encerrada!”

  26. claudinho

    1 de julho de 2015 at 12:45

    Calma pessoal

  27. claudinho

    1 de julho de 2015 at 12:42

    Caros amigos não vamos generalizar,o que o cara está querendo passar é um estilo
    de vida livre da busca desenfreada pelo capitalismo,pela luxuria, não precisa virar bicho grilo a está altura do campeonato, simplesmente tirar o pé do acelerador e fazer uma reflexão será que vale a pena essa busca inconstante pelo materialismo,
    ou um estilo de vida alternativo mais simples que não consuma todo seus anos de vida que te de a oportunidade de viver com mais tranquilidade e que você possa contemplar a verdadeira razão da vida, pensem nisso as vezes diminuir o padrão, sair da metrópole , tirar umas férias de 30 dias , o que está em questão é viver.

  28. José Wagner Linhares

    1 de julho de 2015 at 12:40

    Continuando: Também, se não tivesse uma razoável condição financeira, com certeza eu já teria morrido de um infarto nas filas de um hospital público, pois quando fui bem atendido num bom hospital particular e tive implantado um caríssimo “stent” como meu eterno companheiro o qual se eu não tivesse trabalhado tão arduamente não conseguiria implantá-lo, pois é muito caro. Sei que alguns diriam e eu tenho dúvidas que se eu não tivesse trabalhado tanto, não teria enfartado, mas o fato é que continuo rolando os dados com relativo conforto e uma vida prazerosa, muito trabalho e deliciosas porções de praze, conforto, melancolia que somando, diminuindo, multiplicando, sou superavitário. E como sou.

  29. José Wagner Linhares

    1 de julho de 2015 at 12:37

    Sem dúvidas, é uma situação curiosa e com ela dá pra aprendermos alguma coisa. Pessoalmente não me arrependo de ter investido durante décadas de escola e trabalho, dez a quinze horas diárias de labuta para edificar uma vida consolidada economicamente na maturidade e na velhice. A natureza é muito gostosa e, quando sinto vontade vou curti-la, mas gosto muito dos prazeres profanos por tantos renunciados e condenados como o conforto de uma boa cama num quarto com ar condicionado, um carro confortável, gostosa alimentação (pra quem já passou tanta fome como eu, é maravilhoso), uma boa cerveja, uma boa apresentação cultural, além de dirigir em boas estradas, o que não se conseguiria sem um trabalho de grande investimento na vida. Segue complemento, pois nao coube no texo.

  30. José Wagner Linhares

    1 de julho de 2015 at 12:32

    Sem dúvidas, é uma situação curiosa e com ela dá pra aprendermos alguma coisa. Pessoalmente não me arrependo de ter investido durante décadas de escola e trabalho, dez a quinze horas diárias de labuta para edificar uma vida consolidada economicamente na maturidade e na velhice. A natureza é muito gostosa e, quando sinto vontade vou curti-la, mas gosto muito dos prazeres profanos por tantos renunciados e condenados como o conforto de uma boa cama num quarto com ar condicionado, um carro confortável, gostosa alimentação (pra quem já passou tanta fome como eu, é maravilhoso), uma boa cerveja, uma boa apresentação cultural, além de dirigir em boas estradas, o que não se conseguiria sem um trabalho de grande investimento na vida. Também, se não tivesse uma razoável condição financeira, com certeza eu já teria morrido de um infarto nas filas de um hospital público, pois quando fui bem atendido num bom hospital particular e tive implantado um caríssimo “stent” como meu eterno companheiro o qual se eu não tivesse trabalhado tão arduamente não conseguiria implantá-lo, pois é muito caro. Sei que alguns diriam e eu tenho dúvidas que se eu não tivesse trabalhado tanto, não teria enfartado, mas o fato é que continuo rolando os dados com relativo conforto e uma vida prazerosa, muito trabalho e deliciosas porções de praze, conforto, melancolia que somando, diminuindo, multiplicando, sou superavitário. E como sou.

  31. jdmartini

    1 de julho de 2015 at 12:26

    Dentre todas as criações do homem, a pior delas foi o dinheiro. Tudo que é de mais ruim no mundo se deriva do dinheiro, por causa dele, há guerras, assassinatos, inimizades, corrupção, ostentação e a pior de todas mentiras, por causa do dinheiro o ser humano acorda mentindo , dorme mentindo, mente pra todos e pra si mesmo!!!!

  32. edu

    1 de julho de 2015 at 12:25

    Somente a vontade de uma pessoa querer ser diferente e ter coragem pra isso já causa…Revolucionário..

  33. Antonio Correia

    1 de julho de 2015 at 12:24

    Sabe o que eu acho?
    Acho que ele é um pequeno parasita que vive da bondade alheia, como poderíamos todos viver assim?
    Se fossemos todos parasitas mataríamos a nós mesmos, ele não está fora da sociedade de consumo, apenas consome o esforço alheio, ele está usando chapéu, mochila e etc.., além dos dentes bem tratados e outros detalhes.
    Acho então que para ele dar o exemplo deveria fazer a própria roupa , a tirando da natureza assim como seus outros bens.
    Muito bonito, muito lírico e sem a menor aplicação social a vida deste senhor.

  34. Daniel Bernardi

    1 de julho de 2015 at 12:23

    maioria dos comentários abaixo possuem um caráter de julgamento do eremita da reportagem sobre sua decisão. Indepedente do estilo de vida escolhido por ele, por se tratar de uma pessoa com nível universitário e que teria todas as condiçõpes de levar uma vida considerada “normal” do ponto de vista material, é no mínimo curioso. Não concordo com quem comenta abaixo que no Brasil temos várias pessoas con estilo. Ele não é mendigo e não faz parte de nenhum programa de ajuda social. Quem comenta que tem pessoas iguais por aqui, dêem um exemplo, Só não vale citar aquele tuipo de mendigo que já desisitiu da vida e vive b~ebado na calçada. Não seria comparável ao eremita da reportagem.

  35. Wilson Reis

    1 de julho de 2015 at 11:57

    O estilo do desapegado é radical, mas para mim é um começo de um modo de pensar. Trabalhei por 25 anos, consumi muitas coisas inúteis e vivia de aparências, tentando ser aceito numa sociedade que só te aceita tendo os mesmo hábitos da maioria. Hoje vivo na contra-mão do sistema instituído: não tenho as últimas novidades da tecnologia, compro roupas raramente, tenho um carro popular com 6 anos de uso, não viajo só porque todos viajam, não ostento – até mesmo porque não tenho muita coisa nas redes sociais. Só faço algumas coisas que me dão prazer. Minha vida melhorou muito depois adquiri estes hábitos simples. Não sofro por atencipação por quase nada, meu dinheiro é pouco e dá pra viver equilibradamente, não preciso mostrar pra ninguém que sou um sucesso, meu sucesso é viver tranquilo e não acumular problemas.

  36. Jose vicente da Silva

    1 de julho de 2015 at 11:42

    Não importa como se vive, o mais importante é ser feliz, porque se dinheiro trouxesse felicidade muitos ricos nao cometeriam suicidio, a felicidade nao esta no ter e sim no ser.
    Nos que vivemos nos grandes centros estamos cercados de tudo mais ao mesmo tempo somos prisioneiros de tudo, ate mesmo dos politicos que prometem tudo mais fazem como fizeram ontem votam contra o povo, todos os que votaram contra a redução da maioridade penal deveriam ser postos na rua o povo deveria ir la e demitir esses idiotas.

  37. Gustavo

    1 de julho de 2015 at 11:08

    100 mil anos de evolução da humanidade para que um sujeito tenha uma “idéia iluminada” e comece a pregar um estilo de vida totalmente fora do padrão em que poderíamos viver. Outra coisa, trabalho = dinheiro. Como que ele tem tamanha estupidez de dizer que vive sem dinheiro se ele faz uma relação de troca comercial (trabalho por comida e bens necessários à sobrevivência), que significa troca de dinheiro?

    • Henrique

      1 de julho de 2015 at 12:56

      Quanta besteira em um comentario so. “100 mil anos de evolucao” e “trabalho = dinheiro”. O dinheiro so passou a ser comumente usado para trocas comerciais a menos de 200 anos atras, durante seculos eram trocados o trabalho por mercadorias excedentes, como ele esta se propondo a fazer

    • Brites

      1 de julho de 2015 at 14:42

      Gustavo, só não posso deixar em branco seu comentário… a troca de mercadorias e serviços (escambo) precede, em muito, a criação do dinheiro. Trabalho não é igual a dinheiro. Uma pessoa que fica em casa cuidando dos filhos e da casa, por exemplo, trabalha muito e não ganha dinheiro em troca.
      O dinheiro foi criado para normalizar o valor e criar uma condição de reserva (tempo) já que a sazonalidade muita vezes tornava o escambo impossível de ser acumulado.
      Calma com a crítica. E calma com o termo “estupidez”.
      Como Freud já dizia: “Quando Pedro me fala sobre Paulo, sei mais de Pedro do que de Paulo”.

  38. humberto

    1 de julho de 2015 at 10:54

    A pobreza e o maior mal da humanidade onde ela tira todas a sua possibilidade só dizem ao contrario quem nunca foi pobre realmente

  39. Paulo

    1 de julho de 2015 at 10:51

    Como que ele mantém aqueles dentes bonitos? E a saúde, e os remédios? e o computador e a internet pra manter o blog? … sei não, difícil acreditar!

    • silvia

      1 de julho de 2015 at 13:40

      Eu também me perguntei isso… com 54 anos e dentes perfeitos…. ele escova os dentes? escova de dentes e creme dental vende na farmácia .Se ele não compra, alguém compra para ele. Deus deu ao homem a capacidade de criar. Nenhum outro ser vivo tem essa capacidade. Qual o mérito de uma pessoa por passar a vida sem criar, sem produzir, sem fazer algo para o benefício da humanidade? Será que só dar amizade é tudo que podemos fazer?

    • Andreia

      2 de julho de 2015 at 7:57

      Foi a primeira coisa que me perguntei… como manter um sorriso com dentes tão bonitos?! fora os óculos, vestuário, etc

  40. Mauro

    1 de julho de 2015 at 10:44

    Muito bacana o estilo de vida desse cara mas, como ele faz pra tratar os dentes? E se ele tiver um problema na próstata (na idade dele nada improvável) como vai se cuidar???

  41. Kaiapó

    1 de julho de 2015 at 10:38

    Ele está certíssimo… Que Deus o abençoe nessa caminhada que ele escolheu… Somos todos escravos do sistema… Carga horária para trabalhar similar à escravidão clássica e muito maior que a necessária para a simples subsistência. É a indústria do consumo impondo suas necessidades…

  42. Abel

    1 de julho de 2015 at 10:27

    MALUCO DE BR!

  43. Obama

    1 de julho de 2015 at 10:25

    Muito bonito, mas é impossivel propagar este estilo de vida para todos os 7 bilhoes de habitantes do planeta terra,
    Pra começar, essa camisa e esse chapeuzinho que ele usa só exite gracas a sociedade de consumo que ele critica….já que ele nao curte dinheiro, deveria dar exemplo e andar pelado ou com folhas de bananeira…..

    • Raul

      1 de julho de 2015 at 13:24

      Para viver como vivei nos últimos 15 anos, ter o vestuário e a saúde que tem , ele obrigatoriamente teve que realizar trocas, ainda que não envolvendo dinheiro, com pessoas que vivem em nossa forma convencional de troca de trabalho por dinheiro, a produção e consumo de excedentes. DE fato pessoas como ele interagindo entre si não conseguiriam obter sustento após algum tempo.

  44. Venâncio Bongagna Júnior

    1 de julho de 2015 at 10:15

    A economia mundial vai logo logo entrar em um colapso
    , esse estilo de vida alternativo com cooperativa vai ser fundamental para sobrevivência da espécie humana, anotam isso!

  45. josy

    1 de julho de 2015 at 10:14

    Mas e esse óculos dele, faz quinze anos que ele usa o mesmo grau? Óculos custa dinheiro.

  46. Débora

    1 de julho de 2015 at 10:10

    Por que considerar esse cara louco, só porque abriu mão de bens materiais? Talvez nós que sejamos os loucos de sermos escravos do dinheiro, somos os loucos por aceitarmos as coisas que nos são impostas desde que nascemos. Eu tiro o meu chapéu para ele, espero um dia viver dessa forma, livre das amarras de uma sociedade corrompida pelo consumo desenfreado. Por causa do dinheiro, o mal está aí, crianças passam fome, pessoas não tem uma gota de água para beber. Por causa do dinheiro, os animais estão sem seu habitat natural, o céu e os rios estão poluídos, o planeta está se deteriorando. O problema é que fomos ensinados a pensar que não existe outro caminho além do capitalismo, além do ” ganhar dinheiro para ser feliz”, mas pergunte quantas pessoas são realmente felizes em seus trabalhos, com seus salários? Quanto mais dinheiro se tem, mais se quer… Open your mind people.

    • claudinho

      1 de julho de 2015 at 12:58

      Calma pessoal o que o cara está querendo passar é um estilo de vida alternativo,
      não precisa virar bicho grilo na altura do campeonato,basta fazer uma reflexão se
      realmente ta valendo a pena está busca desenfreada pelo dinheiro pela luxuria o que está em questão e a qualidade de vida,não importa se você vá morar numa caverna,
      no interior, numa praia, o importante e sair do olho do furacão, viver e sentir que a vida passa por você, ter percepção da natureza e do tempo, ser realmente feliz.

  47. Junior

    1 de julho de 2015 at 9:52

    Se ele vive dessa forma e é feliz, faça igual à ele ou viva sua vida ,do jeito que vc
    achar melhor!!!!! Salve.

  48. marisa

    1 de julho de 2015 at 9:52

    todo esses anos sem dinheiro nenhum !!!!
    com esses dentes kkkk preciso virar nomade.

  49. Marcelo

    1 de julho de 2015 at 9:49

    Ah….tá. O cara é um desprendido, vive sem dinheiro, mas tem um blog. Desculpem a ignorância, mas como um cara que vive em uma caverna alimenta os dados do blog? Usa um computador estilo “tábua de pedra dos 10 mandamentos”? É cada uma…

  50. Renato de Jesus

    1 de julho de 2015 at 9:25

    A realidade é que a felicidade não vem das coisas que possuímos. O maior homem que já viveu na terra colocou como prioridade as coisas espirituais, o amor ao próximo, a bondade, o perdão, a simplicidade…e deixou escrito pra todos nós qual o segredo da felicidade. Mateus capítulo 5.

  51. osmarpesc

    1 de julho de 2015 at 9:25

    Por que o povo tem a mania de criticar a vida dos outros? Se cada um cuidasse de sua vida, o mundo seria bem melhor. A grande pergunta que deveria ser feita é: – Você está feliz? Cada um deve buscar a sua felicidade, isso é o que realmente importa.

  52. luiz

    1 de julho de 2015 at 9:16

    Não fazer nada e viver sem dinheiro é fácil , difícil e trabalhar como escravo e viver com um salário mínimo

  53. Roberto

    1 de julho de 2015 at 9:15

    Ora..ora se alguém lhe oferece estadia para dormir, se ele troca trabalho por alimento…. ele depende de terceiros … trocar trabalho por alimento, é a mesma coisa que trocar trabalho por dinheiro, e com ele, comprar alimento…. queria ver ele, ou qualquer outra pessoa viverem na Terra, em qualquer lugar, sem existir mais ninguém por aqui….

  54. Pragmático

    1 de julho de 2015 at 9:08

    É porque ele não tem mulher.

  55. Luiz Bentes

    1 de julho de 2015 at 9:08

    Ele está de óculos, está vestido com roupas confeccionadas pelo trabalho de outrem.Não sei do que se alimenta, mas acredito que seja a partir de alimentos que sofreram algum processamento. Alguém teve que produzir tudo isso, como já comentado, se todos resolvessem viver dessa maneira, não haveria lugar para o ser humano nesse mundo.

    obs: Acessa a internet também, pois possui um blog.

  56. jorge

    1 de julho de 2015 at 9:08

    A vida é boa, deixa o cara curtir,sejamos felizes.

  57. Donaldo

    1 de julho de 2015 at 8:52

    Talvez o grande desafio da humanidade seja unir consciência e ser felicidade. Viver bem sem explorar.

  58. Adelson

    1 de julho de 2015 at 8:41

    Não existe almoço grátis. Se ele não paga pela comida que come ou pela roupa que veste, alguém paga. Pessoas como esta não passa de parasitas.

  59. Tiago

    1 de julho de 2015 at 8:35

    Pois, muito legal a iniciativa deste cara…mas imaginem se muitos vivessem assim…faltariam “doadores”. Pois alguém teria que trabalhar para comprar a comida, as roupas, etc…

  60. Sens

    1 de julho de 2015 at 8:16

    O dinheiro, para quem não sabe conviver com ele, realmente é um estorvo…
    Dinheiro não corrompe ninguém um coração corrompido sim.
    O cara escolheu esse modo de vida, ELE escolheu isso e é a verdade DELE!

  61. carlos

    1 de julho de 2015 at 8:13

    Viver sem dinheiro é possível se tiver alguém nos ajudar o difícil é sem dinheiro e endividado.

  62. André Torini

    1 de julho de 2015 at 8:07

    Dúvida que vive assim como nômade com esses dentes intactos!..fake

  63. Gervais

    1 de julho de 2015 at 7:59

    Apenas para constar: A tradução de Suelo, é sozinho, e não solo

  64. Assis

    1 de julho de 2015 at 7:56

    Sem ninguém para custear saúde, alimentação, moradia e educação ou conta para pagar é fácil, vai! leva a família junta para vê.

  65. Humberto Conde

    1 de julho de 2015 at 7:48

    Queria perguntar pra ele se é possível fazer o mesmo quando se tem mulher e filhos pequenos…

  66. JOSÉ WILLIAMS MACHADO DE SOUZA

    1 de julho de 2015 at 7:34

    Puxa ! Fantástico ! Quem quiser aderir e se desfazer de seu dinheiro pode jogar na minha conta bancária que eu trabalho para dar sumiço nele.

  67. Renato

    1 de julho de 2015 at 7:19

    Infelizmente eu não tenho condições físicas para adotar esse nobre e admirável estilo de vida. Viver sem dinheiro e sem recursos materiais talvez não seja tão difícil assim, eu sofreria muito se não tivesse uma família (esposa e filhos) para conviver.

  68. Mr Nitto

    1 de julho de 2015 at 7:09

    Cada um é livre para viver à sua maneira. Mas, pensemos: todos acordamos pensando em dinheiro, em ganhar dinheiro, em gastar dinheiro, em pagar conta, em ganhar mais, em juntar mais, em gastar mais etc. Depois, morremos como escravos do sistema, do dinheiro. O que fica de positivo nessa viagem? É inteligência isso?

  69. Enio de Souza Bracarense

    1 de julho de 2015 at 6:39

    Parabens a ele, pela sua humilde forma de viver, se todos quiserem seguir os passos do homem, podem seguir que eu administrar os seus bens e grana.

    Parabens, essa é uma decisão de macho.

  70. benjamin mendonça de castro

    1 de julho de 2015 at 6:32

    O cu de frango já voltou pra casa a pedido dos pais.

  71. benjamin mendonça de castro

    1 de julho de 2015 at 6:29

    O cu de frango já voltou pra casa a pedido dos pais, arrumem outro.

  72. Welington

    1 de julho de 2015 at 5:55

    Sem dinheiro os ladrões desaparecem, Principalmente os governos!

  73. Carlos

    1 de julho de 2015 at 5:41

    Pelo menos pra mim, ele não passa de um andarilho como qualquer um destes que vemos nas estradas brasileiras. Agora só porque ele pratica escambo, não quer dizer que ele seja melhor que um capitalista. Afinal como o texto diz, ele faz algum trabalho para conseguir seu pagamento com coisas que os capitalistas compraram. Exemplificando: é a mesma coisa que receber algo de alguém que é um ladrão, ou quer dizer, que depois que passou na mão de outra pessoa a coisa foi “lavada”?

  74. carlos

    1 de julho de 2015 at 4:56

    Deve ser bom prá car**** morar numa caverna no deserto. Tem cada xarope no mundo.

  75. João Dias

    1 de julho de 2015 at 0:26

    Nada disso porra… o cara fornece telepaticamente instruções para Odebrech; Cardoso, Lula, Dilma, Dirceu, e aproveita quando chove… lava sua roupa suja no “LAVA JATO.’

  76. André

    1 de julho de 2015 at 0:22

    É um estilo de vida totalmente na contra-mão do que conheço. No entanto, não me acho competente para dizer que ele não é normal ou coisa parecida. Respeito seu estilo de vida. Acredito que, um dia, todas as pessoas viverão sem o dinheiro. Existe um Poder Superior a todos nós que irá cuidar disso! Bons momentos a todos!

  77. Tiago

    1 de julho de 2015 at 0:15

    Minha vida está cada vez mais parecida com a desse homem, estou separado a alguns meses e minha ex ficou com TUDO! E olha que não foi pouco, mas tudo bem, vida segue, Deus lá em cima está olhando por mim, confio Nele, pois foi o único que nunca me deixou.

  78. Antonio Ferreira

    1 de julho de 2015 at 0:11

    Dependemos uns dos outros e não podemos ignorar o fato de que alguém tem que produzir o trigo para se fazer o pão, alguém tem que fabricar as roupas que vestimos, etc. Não se pode ignorar o fato de que todo o progresso humano veio do trabalho formal de pessoas comuns, e que muitas delas dedicaram suas vidas a pesquisarem e a fazerem grandes descobertas na medicina e em tantas outras áreas do conhecimento humano. Basta apenas observar e lembrar que o óculos e tudo mais que o Daniel (Suelo) e seus amigos carregam em suas mochilas é resultado do trabalho de pessoas comuns que vão todos os dias para as fábricas trabalharem. Então, não precisamos radicalizar, precisamos apenas nos tornarmos menos consumistas, mudarmos um pouco nossa relação com o dinheiro para sermos menos ansiosos e mais feliz…

    • Andreia

      2 de julho de 2015 at 7:52

      Perfeito!

  79. Renée

    1 de julho de 2015 at 0:02

    É uma especie de alienado mental? Vive o dia de hoje sem se preocupar com a velhice? Quem irá cuidar dele quando ficar idoso e doente?

  80. Paula Tejano

    1 de julho de 2015 at 0:01

    Vagabundo!!Vai trabalhar vagal!

  81. augusto

    1 de julho de 2015 at 0:00

    como seu nick refere: vc é feito DEMERDA.

  82. Thiérry

    30 de junho de 2015 at 23:59

    Tu que és um babaca! Eu acho bem engraçado, na verdade, escolheste um meio de vida que achas ser o certo e discriminas todos que não o seguem, aprende a pensar fora da caixa, companheiro. Não é porque tu faz algo que esse algo é aplicável a alguém além de ti. Aliás, GARANTO que esse tal de Daniel leva uma vida muito mais feliz que a tua, que vem num site de mochileiros reprimir quem foge dessa vida platônica que levamos. Novamente: babaca.

  83. Luigi Agnoli

    30 de junho de 2015 at 23:31

    Já pensaram se as mais de 7 bilhões de pessoas do mundo resolvessem viver assim? Haja caverna!

    • nicolau

      1 de julho de 2015 at 7:16

      Se todos fizerem isso os políticos os mais ricos os “donos do mundo” ficaram sem nada e sem poder o dinheiro e todo ouro passarão a não valer nada e este seria o fim destes egoístas materialistas. Se mais pessoas seguirem o exemplo de não duvido que matem ele pois isso é um perigo para as pessoas endinheiradas.

  84. davi

    30 de junho de 2015 at 23:23

    Carpe Dien

  85. Marcos

    30 de junho de 2015 at 22:56

    Isso não é novidade, pelo menos prá nós brasileiros. Pois trabalhamos e estamos sempre sem dinheiro no bolso.

    • ademar

      1 de julho de 2015 at 6:43

      é isso mesmo,falou tudo.

    • Marli

      1 de julho de 2015 at 10:37

      Boa sacada!

    • Danilo

      1 de julho de 2015 at 11:28

      hahahahahahahahah esta foi otima!!! hahahhaha

  86. Celia

    30 de junho de 2015 at 22:31

    ele está certíssimo…o dinheiro corrompe o homem, traz maldade ao coração das pessoas. Que Deus abençoe ele nessa caminhada que ele escolheu.

    • Marcelo

      1 de julho de 2015 at 8:54

      Então me da o seu .

    • Marcelo

      1 de julho de 2015 at 8:54

      Então me da o seu .

    • Hellboy

      1 de julho de 2015 at 11:30

      Isso mesmo Celia, alguém ou alguma coisa tem que ser culpado, menos você.

    • silvano

      1 de julho de 2015 at 12:51

      isso mesmo Célia, dinheiro corrompe o homem. passa todo o seu dinheiro para mim, evite a tentação de se corromper,

  87. Adilor

    30 de junho de 2015 at 22:29

    Aqui neste País é assim você vive sem qualquer dinheiro no bolso, mesmo que sue honerite venha recheado todos os mês do ano, pois a tal receita fderal fica com tudo.

  88. veronica

    30 de junho de 2015 at 22:09

    Se vc nao tem filhos, dá certo. Se vc nao adoecer, dá certo. Eu não teria coragem. Até tenho vontade. MAs nao tenho coragem.

    • Deus

      30 de junho de 2015 at 23:24

      Eu proverei…

    • Marli

      1 de julho de 2015 at 10:35

      Conheço um jovem casal com filhos que vive assim, mas volta e meia eles tem algum problema ou imprevisto e os pais (que vivem com pouco) precisam se desdobrar para socorre-los.

    • Rosíris

      1 de julho de 2015 at 11:11

      Também pensei nisso, Veronica. Se vc quiser apenas “se sustentar”, sem ter dependentes, tudo bem. Mas mesmo assim, como ele faria se tivesse, por exemplo, que tratar de um dente? Com a idade o organismo se desgasta… Acredito que precisar de assistência médica, tratamentos, remédio, etc, seria um inconveniente para esse modo de vida.

  89. Aldair

    30 de junho de 2015 at 22:04

    Fazer o que né? Pra mim não dá viver assim mas se ele é feliz ,quem sou eu pra dizer que está errado.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top

E aí, tudo bem? Bora logar!

ou

Entrar

Esqueceu a senha?

Ainda não tem uma conta? Cadastro

Fechar
de

Enviando Arquivo…