Blog

Brasileira viaja por lugares espirituais do mundo


Dar uma volta ao mundo sempre foi meu grande sonho, não apenas para conhecer novas paisagens, mas, também, como ferramenta de autoconhecimento.
Deixei o Brasil há mais de um ano e de lá para cá passei por lugares espirituais de diferentes culturas. Abri mão de qualquer pré julgamento e fui ao encontro, principalmente, de três linhas espirituais: católica, budista e hindu. Os destinos para isso foram Espanha, Índia, Nepal e Tailândia.
Comecei pelo Caminho de Santiago de Compostela, que desde a idade média atrai peregrinos em busca de cura e renovação. Optei pelo Caminho Francês, que começa com a travessia dos Pirineus e vai até Finisterra, somando quase mil quilômetros.
Finisterra, na Espanha, era considerada o fim na Terra, ali as pessoas terminavam a jornada, banhando-se no mar da Galícia, queimando as roupas usadas na caminhada e levavam de volta consigo a concha, que hoje conhecida como símbolo dessa jornada. Atualmente, muitas pessoas finalizam na igreja onde está o corpo do apóstolo Thiago: Santiago de Compostela, cem quilômetros antes.
As paisagens são lindas, vilas, campos, igrejas e cidades. Mas o maior atrativo, para mim, foi as pessoas que conheci. O caminho nos expõe a ensinos tão pessoais que nos fazem ter certeza de que algo a mais acontece ali. Relatos de mensagens, sinais, visões, são constantes para quem vai em busca de espiritualidade. Foi uma experiência incrível e já tenho planos de repetir.

Caminhada e pedalada no Caminho de Santiago | Foto: Gilsimara Caresia/GirlsGo.

Crianças que também terminaram o Caminho acompanham ritual na Catedral | Foto: Gilsimara Caresia/GirlsGo.

Cerca de três meses e alguns países depois, cheguei à Tailândia, onde o budismo é a religião principal. Optei por um retiro budista de 10 dias , queria aprender mais sobre meditação e acabei aprendendo mais sobre a vida.
Conheci os princípios budistas básicos, que não são nada complicados, coisa que todo mundo fala que devemos praticar, mas só ali tive consciência do quanto eu tinha me afastado do básico do ser humano e estava rumando para ser uma máquina.
O centro é holístico e leva ao pé da letra a lição de Buda de desapego material. Tudo é gratuito, comida, massagens, consulta com os médicos ayurvédicos e espirituais, aulas de meditação, remédios naturais, alojamento, etc. A doação é voluntária.
Éramos quatro turistas em meio a centenas de tailandeses que não falavam inglês, mas que com o sorriso e os olhos nos faziam sentir em casa. A humildade e disciplina dessas pessoas é tocante, um aprendizado e tanto. Quatro monjas européias nos ajudavam, elas abdicaram do que chamamos vida normal, para se dedicarem ao budismo.
Gratidão brotava de mim a cada manhã, mesmo tendo que acordar às 4h30 e indo dormir depois das 22h, dentro de uma rotina de quase 4 horas de mantras, seguido por tratamentos ayurvédicos, meditação, yoga e seva (trabalho voluntário para organizar e limpar o centro).
Outro contato com o budismo foi na cidade de Lumbini no Nepal, onde Sidharta Gautama, o Buda (que significa professor), nasceu. Lá, mais de uma dezena de templos budistas de países de todos os continentes oferecem retiros e meditações.

Templo Budista em Lumbini – Nepal | Foto: Gilsimara Caresia/GirlsGo.

Grande Buda em Centro Budista na Tailândia | Foto: Gilsimara Caresia/GirlsGo.

O próximo destino espiritual foi a Índia, famosa pelo hinduísmo, babas, gurus, yoga, meditação e coisas que eu nunca tinha ouvido falar.
Fui à procura de mestres mais conhecidos na cultura ocidental, até pela questão da língua. Em Delhi, me juntei para dançar com um grupo de brasileiros em um festival organizado pelo mestre indiano Sri Ravi Shankar, estavam presentes três milhões de pessoas do mundo inteiro.
Na Índia, passei, também, por estudos em um centro do Osho, polêmico por mobilizar milhares de norte-americanos, criar uma comunidade alternativa, ser contra o sistema, a ponto dos seus seguidores afirmarem que ele morreu envenenado pela polícia secreta americana.
Osho utilizava técnicas de meditações ativas, aprendi a meditar com energia, pulando, gritando, rindo, girando, isso leva a uma espécie de transe e exaustão que no final da meditação deixam a mente em silêncio. Conheci no centro diversos brasileiros, alguns frequentam o lugar há décadas. Mudei diversos conceitos que tinha sobre meditação.
O próximo passo foi realizar um dos meus sonhos dessa viagem: o Holi, o festival de chegada da primavera, famoso pelo pó colorido. Fui ao encontro do mestre brasileiro Sri Prem Baba, em Rishikesh, a capital da yoga na India, na beira do sagrado rio Ganges.

Gilsimara com o mestre espiritual Prem Baba, no Holi Festival | Foto: Gilsimara Caresia/GirlsGo.

No meu primeiro dia, o grupo musical abriu a palestra com o mantra que eu escutava diariamente no retiro budista na Tailândia, escutar um mantra budista em um ashram hindu, me fez refletir sobre o respeito que temos que ter pelo caminho que cada pessoa escolheu.
A rotina no ashram inclui yoga, meditações e o satsang (palestra) diário, onde Pram Baba aborda assuntos da vida cotidiana, muitas vezes com base nas perguntas dos presentes. As questões são as mais diversas, abusos sexuais, traumas, trabalho, relacionamento e os dramas existenciais de pessoas em busca de mudanças.
Essas foram apenas algumas das experiências que vivi neste período e que deram uma nova visão sobre a vida e as oportunidades, eu que fui bancária por 17 anos, atualmente, estudo terapias ayurvedas na Índia. É impossível voltar a ser a mesma pessoa depois disso, mas também é difícil ser outra pessoa de uma hora para outra. A inclusão do aprendizado e mudança de atitude no dia a dia acontece de forma gradual.
No fundo, a espiritualidade tem em seus princípios o amor, a solidariedade e o aperfeiçoamento como ser humano, por mais distorcidas que as religiões pareçam atualmente.
Gosto palavra namastê, que significa “o Deus que habita em mim, saúda o Deus que habita em você”, ele está dentro de nós.

*Gilsimara Caresia acredita que lugar de mulher é onde ela quiser. Brasileira, jornalista, turismóloga e uma apaixonada por viagens, ela já viajou por mais de 70 países sozinha. Atualmente está dando uma volta ao mundo há 20 meses e compartilha suas experiências na página GirlsGo.

Votar

2 pontos
Upvote Downvote

Total de Votos 2

Votos Positivos: 2

Upvotes percentage: 100.000000%

Votos Negativos: 0

Downvotes percentage: 0.000000%


Comentários do Facebook

comentários

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top

E aí, tudo bem? Bora logar!

Entrar

Esqueceu a senha?

Ainda não tem uma conta? Cadastro

Fechar
de

Enviando Arquivo…