Blog

6 exemplos que provam que para mochilar roots é preciso mais coragem que dinheiro


Desde o início do século XX  a humanidade mergulhou em uma espécie “fordismo cultural”. Nos grandes centros urbanos adotamos um estilo de vida parecido com o método da “linha de produção” criado por Henry Ford, onde operários exercem funções repetitivas, trabalhando de forma sequencial, ordenados em uma produção em série.  O método saiu das fábricas direto para a vida das pessoas que agem de maneira exatamente igual como se estivessem também sido produzidas em série:  Nascem, estudam, trabalham, reproduzem, envelhecem e morrem. Cada vez mais com os mesmos gostos e sonhos. Cada vez mais colocando a grana como prioridade.  É ou não é, algo muito parecido com uma linha de produção?

E o que faz com que as pessoas sigam vivendo assim? Sem sair do lugar comum, sem ousar ou arriscar viver outro modo de vida diferente daquele que é vendido como o “certo” ou “normal”?  Qual é o cimento que une estas almas?

Esse cimento se chama medo. Sem o medo, a linha de produção para.  É ele que mantém a coisa toda funcionando e você já deve ter percebido que isso tem se intensificado nos últimos anos.  Na TV ou na timeline do Facebook, boa parte das notícias estão contaminadas com uma espécie de urgência escatológica, tudo é catastrófico e urgente.  Mas será que o mundo realmente depende disso pra seguir girando?

Os pescadores de Tainha no litoral de Santa Catarina não vão deixar de espreitar os cardumes por conta da bomba que explodiu em um show na Inglaterra, por mais triste que isso seja.   Os artesãos do Alto do Moura em Caruaru, não vão deixar de moldar o barro por conta dos assaltos no centro do Rio de Janeiro.  As borboletas monarcas não vão deixar de migrar e viajar 50 quilômetros por dia no começo do outono na América do Norte por conta dos escândalos de corrupção e da violência do Brasil.  A vida segue de acordo com o nascer e o por do sol em todos os cantos do mundo, bem longe da linha de produção e independente do nosso medo.  Ter coragem não significa deixar de temer, mas não se transformar em escravo deste sentimento.

Os exemplos abaixo são a prova de que para cair na estrada de forma “roots” é preciso mais coragem do que grana. Muita gente tem grana, mas são pouquíssimas as pessoas que tem coragem de atravessar a África de carona.  Aquela grana mínima inicial é necessária, mas todo o resto  acaba se transformando em consequência e aprendizado depois que se consegue romper a barreira inicial.

1. Ela está viajando a África de carona

A polonesa Monika Masaj tem 24 anos e em março de 2016 começou uma viagem partindo rumo a África do Sul, tudo na base da carona e do camping.  Sim, ela provavelmente levou uma minima quantidade de grana para viajar talvez de busão ou avião da Polônia até a região da Andaluzia na Espanha pra atravessar o Estreito de Gibraltar ou tomou um avião até o Cairo. Mas aqui entre nós amiguinhos, ela cruzou mais de 12 países na base da carona e do camping por 290 dias até chegar na África do Sul e nesse momento está fazendo o caminho de volta no mesmo esquema.

Você pode ver o post que fizemos sobre a viagem dela ou seguí-la no Facebook.

by

2. 4 meses na estrada com R$ 1.500 no bolso

Em Maio de 2015 a Marcela conheceu um cara no grupo do Mochileiros no Facebook. Ficaram amigos e resolveram cair na estrada com pouca grana, esticando dedão na estrada.  Viajaram por 4 meses e conheceram o sul do Brasil, grande parte do litoral Uruguaio e parte da Argentina. Tudo na base da carona. Juntos, gastaram menos de 3 mil.  Sim, bebê, no Brasil!  Aquele país do "boi da cara preta"  que pega o menino que tem medo de careta!

A história dela você pode conferir aqui.

by

3. US$2 no bolso e o mundo todo pela frente

Keiichi Iwasaki podia ter seguido a vida que havia sido desenhada pra ele no nosso esquema de linha de produção Fordista, mas decidiu fazer diferente.  Abandonou o posto de herdeiro da empresa de manutenção de ar condicionado do pai e saiu com US$ 2 e sua bicicleta para uma viagem pelo Japão. Pra sobreviver na estrada ele decidiu que iria fazer pocket shows de mágica no meio da rua.

Durante os oito anos seguintes, ele rodou 45 mil km em 37 países diferentes. Isso é mais do que a circunferência da Terra.   Ele também remou 1.300km do começo do rio Ganges na índia e foi até o oceano Índico em 35 dias.  Em sua estada no Nepal ele estudou montanhismo por um ano e participou de uma expedição internacional que partiu em um trekking no nível do mar até chegar ao topo do Monte Everest (8.848 metros). Ele é o primeiro  japonês na história a conseguir este feito.  Acho que valeu a pena ele ter saído da zona de conforto, não?  A história completa dele você lê aqui.

by

4. 100 Frescura e 1000 Destinos

No dia 9 de março de 2017 a Pãmella comemorava em sua página do Facebook, a 100 Frescura e 1000 Destinos, um ano viajando de bike e barraca por esse mundão afora. Sempre com um sorriso no rosto e os olhos com o brilho de quem se encontrou na estrada. Ela posta quase que diariamente, ou sempre que tem wi-fi disponível, como é se virar na estrada, com todos as alegrias e perrengues.  Dorme em sofás de aeroportos, toma banho em banheiros de rodoviária, bate um boquinha com a marmita na beira da estrada, dá um rolê de jet ski em San Andres e pega carona em avião da FAB. Ela se vira e mostra como a vida pode ser muito mais interessante na estrada.

Siga a página dela clicando aqui.

by

5. Mochileiro Caroneiro

O Irds começou a viajar de carona no inicio de 2014. Sempre teve uma imensa vontade de conhecer o Rio Grande do Sul, e assim fez, planejou a viagem olhando as rotas no Google Maps, comprou uma mochila cargueira de 80 Litros e colocou o pé na estrada.

A família e amigos achavam que ele ia se dar muito mal, que ia acabar voltando pra casa no mesmo dia ou iria ficar perdido por ai. Logo na primeira tarde fora de casa, o pai tentou ligar e não conseguiu falar com ele, pois seu telefone já estava fora de área. Quando vi a ligação perdida, ligou pro pai e disse que já estava em território mineiro (tinha saído da Bahia). O pai com voz de surpreso, disse:  "É? Poxaaa, boa viagem!"  - E ele gargalhou!
Depois de quebrar a barreira da zona de conforto, ele não parou mais. Já conheceu MG, PR, SC e RS.

Irds viaja sempre de carona, mas não sai de quase sem antes ter planejado a viagem, minuciosamente. No mapa, separa regiões e planeja tudo antes de sair de casa, desde estradas por onde vai passar e até lugares onde vai dormir, sempre na casa de algum anfitrião do Couchsurfing).  Economizando no transporte e na hospedagem, ele conheceu todos os estados do Sul, sudeste e centro oeste + a Bahia.  Agora quer conhecer todo o nordeste e norte para completar o Brasil e pensar em sair dele, pra partir pro resto da América do Sul.

Você pode acompanhar as viagens dele seguindo sua página no Facebook ( facebook.com/mochileiroirds) e seu canal no Youtube ( youtube.com/channel/UCcRUXor135NsTziB5CMvphw)

by

Votar

100 pontos
Upvote Downvote

Total de Votos 224

Votos Positivos: 162

Upvotes percentage: 72.321429%

Votos Negativos: 62

Downvotes percentage: 27.678571%

Adicionar seu post

Adicionar Imagem Conteúdo Embed

This field is required

Solte os arquivos aqui

ou

Cancelar

O tamanho máximo do arquivo de upload: 8 MB.

Processando, Aguarde um instante...

This field is required

por exemplo: https://www.youtube.com/watch?v=WwoKkq685Hk

Processando, Aguarde um instante...

Este post foi criado com o nosso formulário super fácil e rápido! Envie seu post!


Comentários do Facebook

comentários

Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top

E aí, tudo bem? Bora logar!

ou

Entrar

Esqueceu a senha?

Ainda não tem uma conta? Cadastro

Fechar
de

Enviando Arquivo…